LHC será reiniciado em 2015

size_590_cern               Em 2015, o mais poderoso acelerador de partículas do mundo, o Large Hadron Collider, será reiniciado. O LHC, como é conhecido, já descobriu o bóson de Higgs, a chamada “partícula de Deus”, e quando tratam de sua volta, os pesquisadores sugerem que poderiam ser descobertos outros tipos destas partículas, bem como dimensões extras da realidade e da identidade da misteriosa matéria escura que compõe a maior parte da massa do universo.

O Large Hadron Collider (LHC) é o maior acelerador de partículas do mundo, com um Curtir anel de cerca de 27km de circunferência. Ele acelera partículas a uma velocidade próxima à da luz perto de 9600 ímãs, composto por cerca de 10 mil toneladas de ferro, mais do que na Torre Eiffel. Estes ímãs são feitos de bobinas de filamentos que, se
forem desenrolados, podem se estender ao sol e voltar cinco vezes com sobra suficiente para algumas viagens à Lua.
O maior dos ímãs do LHC pesa 35 toneladas, e tem cerca de 15 metros de comprimento. Eles podem gerar um campo magnético mais de 100 mil vezes mais poderoso que o da Terra. Estes ímãs exigem refrigeração a partir de hélio líquido, fazendo com o que o LHC seja o maior frigorífico do mundo – os ímãs operam em temperaturas de -271,3oC, mais
frio que o espaço sideral.

Em 2012, o acelerador de partículas ajudou os cientistas a descobrir o há muito procurado bóson de Higgs, que ajuda a garantir massa para todas as partículas que têm massa, tais como prótons e elétrons. O próprio bóson de Higgs tem uma massa de 125bilhões de elétrons-volt; ou mais de 130 vezes a massa do próton. Ainda assim, tão rica quanto a safra de resultados em torno do Higgs foi, o LHC foi projetado para ser ainda mais poderoso do que tem sido. Apenas nove dias depois que foi ligado pela primeira vez, em 2008, uma conexão elétrica defeituosa entre dois de seus ímãs levou a várias toneladas de hélio escaparem com força explosiva, danificando dezenas de ímãs.

Agora, o LHC está pronto para retornar em 2015, quase duas vezes mais potente que a sua primeira “corrida”, em 2010-2013. Um avanço que o LHC poderia fazer após sua reinicialização seria descobrir que partículas formam a antimatéria, um dos maiores mistérios do universo. A antimatéria é pensada como uma substância enigmática invisível que compõe cerca de cinco sextos de toda a matéria no cosmos. O consenso entre os físicos até agora é que a antimatéria é composta de novos tipos de partículas que interagem apenas muito fracamente com a matéria comum. Ela não pode ser explicada por nenhuma das partículas no modelo padrão da física. Sua explicação, portanto, deve ser encontrada a partir de uma nova compreensão da física, que vai além do Modelo Padrão. Uma possibilidade encontra-se em uma ideia conhecida como supersimetria, o que sugere que todos os tipos conhecidos de partículas no Modelo Padrão têm parceiros ainda não descobertos. Por exemplo, os elétrons teriam primos semelhantes conhecidos como selectrons.

Cientistas dizem que o LHC não pode detectar diretamente partículas de antimatéria. No entanto, após o LHC esmagar prótons, qualquer energia faltando no rescaldo pode sugerir a criação e existência de partículas escuras. Outra descoberta que o LHC poderia fazer é de novos tipos de bósons de Higgs. Aprender mais sobre como os bósons de Higgs interagem com outras partículas também poderia iluminar a natureza da antimatéria. Com tudo isso, a comunidade científica do mundo inteiro está ansiosa para 2015.

Fonte: Live Science

Anúncios
por Professor Leandro Aguiar Fernandes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s