Neutrinos não são mais rápidos que a luz

Laboratório que divulgou resultados revolucionários para a física moderna conclui que as partículas respeitam o limite de velocidade cósmico.

O mesmo laboratório que relatou, em setembro, resultados surpreendentes que poderiam ter revolucionado a física moderna, agora anunciou: “Neutrinos respeitam o limite de velocidade cósmico”.
O físico Sergio Bertolucci, diretor de pesquisa do laboratório de física Cern, na Suíça, apresentou os resultados semana passada, na 25ª Conferência Internacional de Física de Neutrinos e Astrofísica em Kyoto, no Japão.
“Apesar de esse resultado não ser tão empolgante quanto alguns gostariam, é o que todos nós realmente esperávamos”, declarou Bertolucci.
As novas descobertas vêm de quatro experimentos que analisam feixes de neutrinos enviados do Cern para o Laboratório Nacional Gran Sasso do INFN, na Itália. Os quatro, incluindo o experimento por trás das primeiras suspeitas, de que os neutrinos são mais rápidos que a luz, chamado Opera, descobriram dessa vez que as partículas quase sem massa viajaram rápido, mas não tão rápido.
No ano passado, o Opera mediu que os neutrinos faziam a viagem subterrânea de 730 km entre os dois laboratórios mais rápido que a luz, chegando ao destino final 60 nanosegundos antes de um raio de luz.
Naquele momento, os físicos ficaram surpresos porque o resultado parecia violar a previsão de Einstein de que nada pode viajar mais rápido que a luz. Essa ideia jaz no coração de sua teoria da relatividade especial – a base de grande parte de nossa tecnologia moderna e compreensão científica.
Os pesquisadores do Opera não tinham certeza em relação às possíveis explicações para resultados anômalos, então divulgaram suas descobertas para a comunidade de físicos, esperando que especialistas do mundo todo pudessem ajudá-los.
“A história mexeu com a imaginação do público e deu às pessoas a oportunidade de ver o método científico em ação: um resultado inesperado foi posto à prova, profundamente investigado e resolvido em parte graças à colaboração entre experimentos que normalmente competem entre si”, explicou Bertolucci. “É assim que a ciência avança”.
Laboratórios mundiais, incluindo outros experimentos em Gran Sasso – chamados de Borexino, Icarus e LVD –, bem como o experimento Minos em Illinois e o projeto T2K no Japão, tentaram recriar as descobertas do Opera, mas nenhum deles foi capaz de fazê-lo: os neutrinos pareceram obedecer ao limite de velocidade cósmico todas as vezes.
Os cientistas do Opera acreditam que a medição original possa ter sido errônea devido a um elemento defeituoso no sistema de cronometragem de fibra ótica do experimento.

Fonte: Scientific American Brasil

Anúncios
por Professor Leandro Aguiar Fernandes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s